Vá em busca do que se perdeu!

Se analisarmos o contexto de Lucas 15, veremos que Jesus conta três parábolas para falar de um só assunto. Jesus conta três parábolas para falar sobre aquilo que se perde. Se você reparar bem, você vai notar que tudo o que se perdeu estava dentro de um contexto semelhante:
  ü  A ovelha se perdeu das outras ovelhas (Lc 15.3-7)
  ü  O filho abandonou os seus entes queridos; seu pai e irmão (Lc 15.11-32)
  ü  A moeda foi perdida das outras moedas (Lc 15.8-10)


Diante dessas três parábolas, podemos fazer uma observação interessante: O lugar de onde foi perdido ou desgarrado (a ovelha, o filho, e a moeda), representam um lugar seguro, veja:
ü  No caso das ovelhas, elas estavam num aprisco construído no deserto.
ü  No caso do filho, ele estava na casa confortável de seu pai.
ü  E no caso da moeda, ela foi perdida das mãos de sua proprietária.
A leitura da parábola da dracma perdida nos coloca diante de um simples acontecimento doméstico, mas nos leva a refletir sobre alguns aspectos importantes sobre perdas na vida cristã. Ela conta a história de uma mulher que possuía dez moedas. Um dia deu falta de uma delas. A moeda estava de posse da mulher e foi perdida dentro da própria casa, ou seja: a moeda estava na casa, mas estava perdida. Ao dar falta desta moeda, ela imediatamente colocou em ação um plano para encontrá-la. Muito determinada, iniciou imediatamente a busca por todos os cantos da casa. Acendeu uma lamparina para iluminar todos os aposentos e ter luz perto dos olhos para enxergar bem, afastou os móveis, varreu toda a casa para vasculhar bem em todos os lugares. Na verdade esta mulher empreendeu uma cuidadosa procura, e só sossegou depois de encontrar o que havia perdido.
Mas o que é uma dracma? E Por que tanto empenho desta mulher em sua busca?
A Dracma era uma moeda antiga de prata, que embora pequenina, tinha um grande valor para uma família de poucos recursos, porque representava o suficiente para alimentar uma família por um ou dois dias. Para você ter uma noção disso, foi calculado que uma dracma valia aproximadamente R$ 60,00 (sessenta reais), ou seja, o que essa mulher perdeu era algo de muito valor, era algo precioso em sua vida.
O que se deve fazer diante da perda de algo precioso na vida?
Muitos aceitam a perda de algo precioso com muita tranqüilidade, aceitam passivamente a situação estabelecida, Outros até esboçam uma reação as perdas, mais é só mais uma idéia sem atitudes. Mas, outros agem como esta mulher da parábola, tomam as devidas providências, arregaçam as mangas, colocam sua fé em ação, buscam forças de onde não possuem, e procuram incansavelmente até encontrar aquilo que perderam. Temos uma capacidade surpreendente de nos acomodarmos diante das perdas na vida. Tal acomodação, às vezes, acontece gradativamente, sem que a percebamos, o que nos trás prejuízos inimagináveis ao longo do tempo de nossa vida com Deus. Outra coisa: nós também gostamos muito de minimizar nossas perdas. Dizemos: “é assim mesmo, isto acontece com qualquer um”. Com tal atitude sufocamos qualquer expectativa e não nos dispomos a lutar para mudar essa condição.
O que você tem perdido ao longo de sua vida cristã?
Quem sabe você perdeu o Ânimo
Mais o salmista Davi nos dá um conselho no (Sl 27.14) –  “Espera pelo SENHOR, tem bom ânimo e fortifique-se o teu coração; espera, pois, pelo SENHOR”.
Quem sabe você perdeu o primeiro Amor.
A Igreja de Éfeso foi repreendida por Jesus por isso: (Ap 2.4,5) – “Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas.” Se você perdeu o primeiro amor, ouça o que Jesus diz: Arrepende-te e volta!
Quem sabe você perdeu mesmo foi o caminho.
Aquele que teve uma experiência pessoal com Cristo, que experimentou uma profunda transformação de vida, no seu caráter, no seu modo de viver, tem agora um compromisso com Deus e com a Sua Palavra: o de permanecer fiel. Mas, infelizmente, muitos ficam prostrados no meio do caminho, como a semente semeada na beira do caminho que não germina e nem produz frutos. A bíblia nos diz em (1 Co 10.12) -“Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia.” Se perdermos o caminho, precisamos voltar ao Senhor e rasgarmos o nosso coração diante dele. Se perdermos o caminho, devemos fazer o que o escritor de Hebreus nos aconselha: “Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna.” (Hb 4.16).
A mulher da parábola não se conformou com a perda de sua moeda. Embora possuísse as outras nove, ela queria preservar tudo o que tinha. É necessário que nós também não nos acomodemos diante de nossas perdas.
Vá em busca do que se perdeu e não se acomode neste ano de 2010!
Pr. Flavio Muniz
Publicado em Vida cristã | Deixe um comentário

Como nos dias de Noé

Você sabe como vivia a sociedade na época de Noé?
(Gn 6.1-5,11-12) – Na época de Noé, quando Noé construía uma arca anunciando que viria um dilúvio, ninguém acreditava. Todos estavam levando sua vida normalmente, casavam-se e davam-se em casamento. Havia festas, banquetes, o comércio ia bem, em fim todos levavam suas vidas do jeito que queriam, da forma que queriam e ninguém estava dando a mínima para o Juízo de Deus anunciado pela boca de Noé. Queridos a época de Noé era igual a nossa, pois havia a multiplicação da iniqüidade e muita violência (Gn 6.11-12). Amados, na época de Noé havia também muito trabalho, toda sociedade se preocupava em trabalhar para prosperar e sustentar a família (Gn 5.29). Da mesma forma como se comportava a sociedade nos dias de Noé, é como se comporta a sociedade nos dias de hoje. Está tudo indo bem na medida do possível, algumas crises, alguns problemas para resolver, mas o mundo continua o mesmo. A sociedade continua correndo com seus afazeres diários, aceitando os comportamentos mais absurdos, omissos as questões espirituais, mais preocupados com os prazeres do que com Deus. A sociedade caminha preocupada em encontrar soluções para os problemas mais difíceis da vida, pois isso visa tornar a vida mais prazerosa. Preste atenção só em um fato: ninguém está preocupado com a volta de Jesus!

Será em um momento assim, num momento em que ninguém espera que Jesus virá! Quando todos pensarem e acharem que está tudo em paz e segurança, quando tudo estiver preparado, aí sim aparecerá no céu um sinal do filho do homem, todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu com poder e muita glória. E ele enviará os seus anjos, com grande clangor de trombeta, os quais reunirão os seus escolhidos dos quatro ventos, de uma a outra extremidade dos céus. (Mt 24.30-31). Deus está nos alertando com esta mensagem! Porque quando todos pensarem que está tudo indo dentro da sua normalidade, eis que lhe sobrevirá repentina destruição. E diz a bíblia que será como as dores de parto, daquela que está para dar á luz (1Ts 5.3). O juízo de Deus vem! Vem sobre a terra, sobre povos, raças, e nações, e está para se cumprir, pois os sinais dos tempos nos mostram isso.
O que você pensa disso? Como você tem levado a sua vida diante de Deus? Você que não conhece a Deus e anda pensando que tudo isso é uma grande brincadeira? Uma verdade sem fundamento?
Nos dias de Noé, Deus pediu para Noé construir a arca e entrar com a sua família e antes de começar o dilúvio ele mesmo fechou a porta. Sabe qual foi a conseqüência disso? (Gn 7.21-23) Toda a carne que se movia sobre a terra, tudo o que tinha fôlego de vida morreu no dilúvio, restando Noé e sua família. Assim como Deus agiu com Noé, será assim também no dia da vinda do Filho do Homem (Mt 24.37-39). Assim como Deus com suas próprias mãos fechou a porta da arca significando a separação de Justos e injustos, assim será na volta do Filho do Homem. Pois ele colocará as ovelhas a sua direita e os cabritos à esquerda. E ele dirá as ovelhas, vinde benditos do meu pai, entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. (Mt 25.31-34). Deus salvou a Noé e sua família do juízo diluviano porque Noé era justo, ìntegro e andava com Deus. Da mesma forma Jesus voltará para buscar a sua igreja; uma igreja santa, imaculada e gloriosa que anda na presença do seu Deus.
Arrependa-se de seus pecados, viva com Deus, viva para Deus, e você encontrará uma vida eterna a ser desfrutada pelos séculos vindouros!
Que Deus te abençoe rica e abundantemente,
Pr. Flavio Muniz
Publicado em Escatologia | Deixe um comentário

Sem a direção de Deus

Quando eu olho para a Bíblia e mergulho na história dos grandes personagens bíblicos, eu percebo que uns viveram suas vidas segundo a direção de Deus, e outros não. Eu percebo também que alguns se esforçaram, lutaram e até mesmo pagaram um preço muito alto para andarem de acordo com a direção de Deus, porém outros não deram a mínima para a voz de Deus. Então eu chego a uma conclusão, sabe que conclusão? Existem dois modos para andarmos diante de Deus: Segundo a direção de Deus ou Sem a direção de Deus.

E talvez você esteja pensando: Mais todos os grandes homens da Bíblia andaram segundo a direção de Deus! Eu lhe digo que você está redondamente enganado. Os grandes homens de Deus passaram por momentos que eu classifico como uma espécie de “AMINÉSIA ESPIRITUAL” e se esqueceram completamente de pedir a direção de Deus para alguns momentos de suas vidas, se esqueceram de pedir a direção de Deus para algumas decisões de suas vidas. E por fazerem isso sofreram conseqüências terríveis:
ü  A Bíblia nos mostra Abraão sem a direção de Deus fazendo aliança com Abimeleque, o que custou muito caro ao seu filho Isaque.
ü  A Bíblia nos mostra Moisés que sem a direção de Deus não quis circuncidar a seu filho, e Deus intentou matá-lo. E se não fosse sua esposa Zípora (mulher sábia), ele teria colocado a perder seu chamado e sua vida com Deus.
ü  A Bíblia nos mostra Davi sem a direção de Deus fazendo o levantamento do censo em Israel, o que desagradou a Deus, pois isso aos olhos de Deus era desobediência e traria a ira de Deus sobre o povo. Davi queria contar inclusive a tribo de Levi na qual Deus não mandou contar (Nm 1.49), e Joabe seu servo achou tão abominável a ordem que não contou. Isso fez com que Davi contemplasse 70 mil mortos de Israel, devido a peste que ele mesmo escolheu como castigo da parte de Deus.
Concluímos, portanto, que andar sem a direção de Deus é andar para onde não sabemos, é fazer o que não deveríamos, e contemplar o que jamais esperaríamos!
Porém eu preciso lhe dizer o que acontece conosco quando temos a direção de Deus:
Vamos olhar para a história de Gideão (Jz 6.11-8.35)
De Gideão nós conhecemos muito, foi o 5º juiz de Israel, Deus o chamou de homem valente, é conhecido pelo seu grande feito de ter combatido e vencido 135 mil midianitas com apenas 300 homens, o que deu a Israel paz por 40 anos. Foi considerado por causa disso um herói militar, e o povo quis fazer dele um rei, mais ele não aceitou (Jz 8.22,23). Pediu somente algumas peças de ouro ao povo, não para si, mais para fazer uma estola para que o povo consultasse ao Senhor. (Jz 8.24-27).
Sabe porque Gideão venceu 135 mil com apenas 300? É simples, ele ouviu a voz de Deus, possuía direção de Deus para fazer isso. Ele tinha 32 mil, Deus disse que ele tinha muito, ficaram 10 mil. Deus disse que ele tinha muito e aí 9.700 foram embora e ficaram 300 com ele para aquela batalha e ele venceu.


Sabe porque Gideão recusou ser rei daquele povo? É simples, ele ouviu a voz de Deus, possuía uma direção de Deus para não fazer isso. Ele sabia que Deus mesmo era o rei daquele povo e ele declarou: “Não dominarei sobre vós, nem tampouco meu filho dominará sobre vós; O Senhor vos dominará”.(Jz 8.23)
Sabe porque Gideão fez a estola sacerdotal? É simples, ele ouviu a voz de Deus, possuía uma direção de Deus para fazer isso. Infelizmente o povo se prostituiu (idolatrou) frente aquela estola, não por culpa dele e sim do próprio povo que não entendeu o propósito de Deus.(Jz 8.27). O povo se esqueceu de Deus (Jz 8.34) e não se lembrou que Gideão somente fez o bem aquele povo (Jz 8.35).
Perceberam algumas coisas no âmbito da direção de Deus com o exemplo de Gideão:
* Com a direção de Deus nós não perdemos
* Com a direção de Deus nós não erramos
* Com a direção de Deus nós cumprimos seus propósitos e prosperamos espiritualmente.

Ande segundo a direção de Deus e você contemplará grandes vitórias!
Pr. Flavio Muniz
Publicado em Conselho | Deixe um comentário

Não ande pra baixo!

                           
A crise econômica mundial tem nos mostrado uma realidade dura, difícil e ao mesmo tempo desafiadora. Se compararmos a crise mundial a nossa vida, veremos que existe uma grande semelhança. Nesse tempo de crise econômica se fala muito sobre economia. E um assunto pra lá de atual em economia é a lei da oferta e da procura:
Veja como funciona a lei da oferta e da procura – Quando a oferta cai, o preço do produto sobe. Mas quando a oferta aumenta, o preço do produto desce.

Nossa vida também é assim, é feita de altos e baixos. Quando realizações importantes acontecem em nossas vidas, damos picos de felicidade, alcançamos o topo da alegria, ficamos pra cima, animados, e a “bolsa” de nossa vida vive uma euforia incontrolada. Mais quando algo inesperado acontece de ruim em nossa vida, gerando tribulação e preocupação, lá estamos nós em queda, em queda de alegria, caindo em tristeza, estresse, abatimento, desânimo, e acabamos por deixar os nossos índices de satisfação caírem, e acabamos por ficar pra baixo mesmo!
Esses índices de altos e baixos em nossa vida, sempre fazem parte da cotação daqueles que decidiram viver como seres humanos, ou seja, todo indivíduo passa por isso. Um alienígena não passa por isso, um robô não passa por isso, um brinquedo não passa por isso, mas nós, humanos, passamos por isso. E a pergunta que devemos formular não é como sair da crise quando estivermos em baixa (ou pra baixo), e sim como enfrentar a crise quando estivermos em baixa. Entendeu?
Sair da crise pode dar a intenção de abandonar  tudo, jogar a toalha, deixar de apostar na vida, abandonar o barco, desistir de buscar um índice melhor de esperança, de coragem e de vigor. Mas a expressão enfrentar a crise soa melhor, pois diz respeito a encontrar soluções para a crise, estar disposto a enfrentá-la com coragem, virar o jogo, transformação de atitude, mudança de discurso, mudança de pensamento.
Nem sempre em nossa vida estamos vivendo um momento de calmaria e felicidade, às vezes os ventos contrários e as aflições que nos atingem, nos deixam pra baixo mesmo, nos levam a lona, parece um nocaute, ficamos completamente desnorteados sem saber o que fazer. Ficamos “pra baixo”, parecendo até o título de um filme que não vai acabar.
Mas o que é estar pra baixo?
Quem está pra baixo, vive encurvado diante dos problemas, não consegue olhar para o amanhã com esperança, se sente um fracassado, não consegue extrair forças para superar o problema, não consegue ânimo para refazer o que foi perdido ou anulado em sua vida, não consegue viver o hoje, pois vive preocupado com o amanhã, não consegue ter cabeça para calcular o que vai gastar em sua pronta recuperação, não consegue contemplar uma saída segura para o labirinto, não consegue nem mesmo ter fé o suficiente para acreditar que Deus possa reverter, transformar e alterar todo o quadro.
No texto de (Lc 13.10-13), a bíblia nos relata a história de uma mulher que andava pra baixo, na realidade literalmente pra baixo. A bíblia diz que Jesus e seus discípulos estão no caminho entre a Galiléia e a Judéia, e aí entram na sinagoga num sábado para ensinar, e de repente surgiu uma mulher que há 18 anos andava encurvada sem poder endireitar-se por causa de um espírito de enfermidade.
Ela sofria de uma enfermidade na coluna, possivelmente uma espécie de fusão das vértebras que fazia com que ela andasse encurvada. Somente Lucas menciona esta mulher corcunda que passou dezoito anos olhando para o chão, incapaz de andar ereta ou sentar-se. Ela não podia nem mesmo se dar ao luxo de esticar suas costas. A bíblia diz então, que Jesus sentiu profunda compaixão pelo drama daquela mulher, resolveu curá-la e libertá-la daquele mal, trazendo alívio aquela que somente andava pra baixo.
• Eu quero chamar a sua atenção para o fato de que ninguém observou a real causa da sua enfermidade por dezoito anos. As pessoas sempre a viam próximo da sinagoga e reparava seu jeito de andar, alguns tentaram ajudar providenciando um tratamento aqui e ali, mais sem resultados. Seu problema era espiritual e não físico, por isso tudo o que faziam para ajudá-la, não dava em nada.
• Eu quero chamar a sua atenção também para o fato de que esta mulher não pediu para ser curada, não fez nenhuma oração para sua própria cura, não atrapalhou a reunião da sinagoga com gritos de sofrimento desesperador, ela simplesmente se aproximou de Jesus.
Quem sabe você hoje não está vivendo uma situação que lhe coloca pra baixo, seja ela espiritual ou não. E por isso você anda encurvado (a) sem que ninguém perceba o real motivo do problema. Quem sabe você já recebeu até mesmo ajuda para vencer tudo isso, mais foi em vão, já que não lhe ajudaram para sanar o real motivo do problema. Quem sabe ninguém notou que você vive encurvado (a) há tanto tempo, porque isso acontece na sua alma, devido a solidão, as frustrações, decepções, angústias e medos que lhe fazem andar encurvado (a).Quem sabe diante dessa situação que lhe colocou corcunda, você não teve nem mesmo fé suficiente para fazer uma oração á Deus que lhe curasse e lhe colocasse pra cima para que você contemple o belo horizonte da sua vida.
O ato de restauração e cura desta mulher foi iniciativa única e exclusiva de Jesus, que teve compaixão dela e resolveu por si curá-la. E esse Jesus está através destas linhas lhe dizendo que com certeza ele tem compaixão de você e seu desejo é curá-lo (a), pois a Bíblia diz em (Rm 9.15) – “Deus disse a Moisés, terei misericórdia de quem me aprouver ter misericórdia e compadecerme-ei de quem me aprouver ter compaixão”.
Quem sabe hoje você não está pra baixo, anda encurvado (a), pensando que tudo vai dar errado, desanimado, frustrado, abatido e pensando em desistir de tudo. Quem anda pra baixo só vê tristeza, anda como um derrotado, não consegue ver a beleza da vida, não consegue ter fé e esperança, não consegue olhar para o alto de onde vem o nosso socorro. Quem sabe ninguém lhe notou, ninguém lhe viu, ninguém se importou, ninguém lhe ajudou até agora.
Ouça o que este aprendiz de profeta lhe diz: Jesus te vê, Jesus te chama, Jesus está falando contigo, e ele mesmo quer impor as mãos sobre você, para que você fique livre deste mau que tanto lhe traz angústia e lhe faz ser um derrotado.
Creia! Jesus está ao seu lado, para te colocar pra cima, para abençoar a sua vida e agir poderosamente sobre as tuas aflições. Pare de olhar para baixo, pare de pensar que você é um derrotado, pare de agir como um derrotado, pare de prever um futuro pessimista para sua vida! PARE! Jesus lhe cura para que você olhe para o alto, para que você olhe para cima, para que você se endireite e passe a contemplar aquilo que Deus vai fazer em tua vida se você crer.
“Se creres verás a Glória de Deus!”
Pr. Flavio Muniz
Publicado em Cura divina | Deixe um comentário

Em quem você deposita a sua confiança?

                                   
“Uns confiam em carros e cavalos; nós, porém nos gloriaremos em o nome do Senhor dos Exércitos” (Sl 20:7)
O salmista Davi neste texto fala sobre em quem depositar a confiança. As pessoas deste mundo costumam a creditar o sucesso que possuem aos seus próprios conhecimentos, a sua própria força, ao seu próprio dinheiro, a sua própria capacidade.

O interessante é que muitos crentes em Jesus tem agido desta forma, ou seja, quando precisam decidir na vida, ou irem à busca de seus objetivos, planos e projetos, costumam confiar no seu próprio “taco” e por que não dizer “cavalo”. O cavalo na bíblia é símbolo de força e poder, e os grandes impérios através de seus reis, os usavam para guerrear suas guerras. A verdade é, que quando almejamos algo, agimos assim: colocamos nossos cavalos à frente e avante, quando na realidade deveríamos confiar no Senhor em primeiro lugar e deixar que ele peleje nossas guerras por nós. Às vezes, agimos sem orar, sem direção de Deus e depois queremos que Deus abençoe aquilo que fizemos ou a decisão que tomamos. Como será que Deus vai abençoar alguém que não confia nele? Em quem você tem confiado? Nos seus cavalos ou no Senhor?
Confie no Senhor, somente no Senhor e glorifique o seu nome em todas as coisas que fizer. Fazendo isso o seu sucesso é certo, e você não precisará utilizar os seus cavalos.
Que Deus te abençoe rica e abundantemente,
Pr. Flavio Muniz
Publicado em | Deixe um comentário

Tudo Novo!

“E aquele que está assentado no trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E acrescentou: Escreve, porque estas palavras são fiéis e verdadeiras.” (Ap 21.5)
Se dependesse de nossa vontade tudo seria novo de tempos em tempos em nossa vida. Nossa casa receberia uma repintura, os móveis sempre seriam trocados de ano a ano, os filhos trocariam seus pertences escolares sempre. Nossas roupas seriam renovadas mês a mês, em fim, tudo seria sempre novo, sempre novo, sempre novo!

Se analisarmos bem, com Deus não é diferente, pois ele criou tudo do nada, criou Adão do pó da terra fazendo uma criatura nova. Criou Eva da costela de Adão fazendo outra criatura que embelezasse a vida do homem. Ele criou tudo novo, os céus, a terra, o mar, os animais, o ecossistema, e tudo o que ele fez era muito bom (Gn 1.31). Deus sempre quis fazer tudo novo!
Quando o homem decaiu de seu estado original pecando contra ele, ele proveu um Salvador que fizesse tudo novo. É por isso que Jesus ensinou que todos aqueles que querem ver o Reino de Deus precisam nascer de novo, nascer da água e do Espírito (Jo 3). Portanto para herdar o Reino de Deus precisamos nascer de novo, deixar Deus fazer tudo novo em nossa vida. É impressionante como nos preocupamos por demais em fazer tudo novo em nossa vida, mas não deixamos o nosso criador e Senhor fazer tudo novo em nossa vida com Ele. Muitos já receberam Jesus e vivem em novidade de vida, porém parece que estes ás vezes tomam atitudes, pensam e falam como se não tivessem nascido de novo. Outros (quem sabe este é o seu caso), mesmo ouvindo a Palavra de Deus não se dão por vencidos e não permitem que Deus realize sua obra misteriosa do novo nascimento.
Negam Jesus fechando o coração para ele, não querem se converter dos seus maus caminhos se arrependendo de seus pecados. A Palavra de Deus nos ensina que quando Jesus vier para consumar todas as coisas, ele criará um novo céu e uma nova terra para colocar aqueles que nasceram de novo, fizeram a vontade do Pai e o serviram para sempre em suas vidas. O desejo de Deus é preparar uma cidade novinha para que todos os seus santos possam desfrutar de sua comunhão e de suas bençãos plenamente. “… estas palavras são fiéis e verdadeiras”. (Ap 21.5).
Deus tem uma Palavra para você: Se você já nasceu de novo (é cristão) – O desejo de Deus é que você fale, pense e aja como de fato uma pessoa que foi transformada por ele e vive em novidade de vida. Se você ainda não nasceu de novo (não é cristão) – O desejo de Deus é que você se arrependa de seus erros e pecados e permita a Ele que realize o milagre do novo nascimento, pois ele acrescentará coisas novas em sua vida.
Receba Jesus hoje como Senhor e Salvador de sua vida e você verá Deus realizando coisas maravilhosamente novas em sua vida!
Que Deus te abençoe rica e abundantemente fazendo tudo novo em sua vida,
Pr. Flavio Muniz
Publicado em Vida Eterna | Deixe um comentário

Uma Nova Oportunidade

“Então, Jesus proferiu a seguinte parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha e, vindo procurar fruto nela, não achou”. (Lc 13.6)
Nós somos o Israel de Deus, e por sermos o Israel de Deus, na simbologia bíblica, Deus enxerga a igreja como uma vinha, e cada árvore plantada como seus filhos, que no seu devido tempo dá o seu fruto e a sua folhagem não murcha, nem morre, mas se renova. Os profetas do A.T frequentemente usavam a palavra vinha para designar Israel (como povo de Deus), e a figueira ou videira como símbolo maior deste povo (Is 5.1-7). Na parábola que Jesus contou em (Lc 13.6a), ele diz que: “certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha…”

Eu quero tirar algumas lições da parábola da figueira, que vão nos mostrar como Deus quer que vivamos para buscar coisas novas da parte dele:
1 – DEUS NOS PLANTOU COM O PROPÓSITO DE FRUTOS ABUNDANTES (VS 6a) – “Então, Jesus proferiu a seguinte parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha…”
O homem descrito na Parábola é na verdade o Senhor, ele planta a figueira em sua vinha, mas ao passar de três anos não havia fruto nela. A natureza daquela árvore é de dar muitos frutos, e o dono da terra não queria nada além do possível. Ele conhecia a capacidade daquela árvore e sabia bem o que ela podia produzir. A árvore estava plantada em terra fértil. Recebia tudo do dono da vinha (água, sombra, atenção, etc). A Bíblia diz que, a quem muito lhe é dado, muito lhe será cobrado. Se você prestar bem atenção ao texto, vai verificar que o Senhor exige daquela figueira fruto, porque a ela foi dada tal capacidade. Ele não exige nada além.
Deus nos criou com o propósito de glorificá-lo em todas as coisas, e isso envolve frutos abundantes em todas as áreas de nossa vida. O que temos feito com todas as bênçãos e privilégios que Deus tem nos dado? O que temos feito com os dons e talentos que recebemos? O que temos feito com o ministério que recebemos? Com o namoro que começamos? Com nossas capacidades intelectuais? nossas habilidades pessoais? O que eu quero lhe mostrar é que, Deus nos tem abençoado, e muito, e nós não tem dado retorno para Ele! Não que Ele nos abençoe querendo barganhar conosco, mas espera o mínimo de nós, que façamos a sua vontade, que sejamos comprometidos, com Ele e com a sua palavra, produzindo frutos em abundância em todas as áreas de nossa vida.
Deus quer que você viva um novo tempo em sua vida, de frutos abundantes, de vida abundante multiplicada a cada ano, porém se você impede a frutificação que se faz necessária, você jamais viverá este novo tempo que você espera em sua vida, seja em que área for. Deus lhe plantou em sua vinha para a produção de frutos. Existem muitos jovens hoje que espera de Deus aquilo que não vai chegar, pois naquilo que recebem de Deus não dão o devido valor, e depois querem ver os frutos. Por exemplo: Você viverá um novo tempo na vida sentimental, quando o seu namoro o glorificar em todas as coisas. Você viverá um novo tempo em sua vida espiritual, quando sua vida for de fato consagrada a Ele. Você viverá um novo em sua vida profissional, quando você viver os princípios da palavra com relação a isso.
2 – SE NÃO FRUTIFICARMOS EM TEMPO OPORTUNO, ELE CORTARÁ A FIGUEIRA (VS 6b,7)
Aquele Senhor (homem) estava decepcionado com aquela figueira, pois, há muito tempo não achava nenhum fruto nela. Veja, ele esperou mais de três anos, mais não encontrou fruto algum. (Lc 13.6b, 7) – “…e, vindo procurar fruto nela, não achou. Pelo que disse ao viticultor: há três anos venho procurar fruto nesta figueira e não acho; podes cortá-la; para que está ela ainda ocupando inutilmente a terra?
Jesus não nos chamou para sermos uma figueira cheia de folhas, e sim uma figueira cheia de frutos. A figueira é linda quando está cheia de folhas e flores, Assim também somos nós. Mais ela, de modo pleno, resplandece, e mostra toda a sua beleza e força quando há frutos. Há muitos jovens que estão como uma figueira bonita, mas somente carregados de “folhas”. “Folhas” de conhecimento bíblico sem pratica, “folhas” de anos no evangelho, sem maturidade, “folhas” de boas intenções, “folhas” de aparência; “folhas” de falsa humildade, “folhas” de presunção, “folhas” de máscaras, mas sem produção de frutos. Será que nós temos decepcionado nosso Deus? Será que Ele tem olhado pra nós e não tem visto nada? É momento de pararmos e refletirmos, o que temos dado para Deus mediante a salvação que ele nos outorgou, pois quando o Senhor voltar, ele não vai mais mandar podar a árvore, e sim cortar a árvore (Jo 15.1-5).
3 – DEUS NOS DARÁ SEMPRE UMA NOVA OPORTUNIDADE PARA NOVOS INVESTIMENOS (V.8) “ Ele porém respondeu: Senhor, deixa-a ainda este ano, até que eu escave ao redor dela e lhe ponha estrume”.
Pela localização deduzimos que a árvore tinha sido muito bem cuidada. Ocupava uma parte do terreno que poderia ter sido usada para as videiras. Cada ano que a árvore permanecia estéril significava prejuízo para o lavrador, pois, ocupava um espaço que poderia ser ocupado por outra árvore que produzisse. A figueira tem um significado muito especial para o israelita. Deus a usava para indicar prosperidade e por isso era muito difícil para aquele homem não ver a sua figueira produzindo. Aquele Senhor (homem), então, ordena ao viticultor (Jesus) que corte aquela árvore, mas o viticultor pede mais uma chance para que possa cuidar da figueira, para que possa interceder por ela, investir nela, para trabalha-lá de maneira que ela viesse a dar frutos.
Assim também acontece conosco, Deus não se cansa de nos dar oportunidades, aliás, ele investe em nós para isso. Deus está sempre investindo em nós, em todo tempo. Ele sempre está pronto a nos ajudar, e a investir em nós, Deus não se cansa e quer sempre continuar fazendo o melhor para nós e por nós, e por isso nosso Deus é um Deus de oportunidades.
Certa vez ouvi a seguinte frase: Deus não desiste de nós, pois, a sua graça é mais teimosa que a nossa própria teimosia.
Veja! ele nos dá oportunidades e investe em nós, para que nós possamos investir nele, vivendo pra ele, agradando a ele, glorificando a ele em todas as coisas.
Quem sabe você vive um tempo de letargia espiritual, de mornidão espiritual, de cegueira espiritual, e na verdade você está prestes a desistir de tudo, e a colocar tudo a perder.
Jesus lhe diz: se levante, abra os olhos, comece a tomar atitudes, pois eu estou lhe dando mais uma oportunidade de você continuar investindo naquilo que é eterno, que não perece, que é glorioso acima de qualquer bem terreno!
Diga a Deus hoje pela fé: Senhor não precisa cortar a figueira, porque a figueira vai produzir frutos para ti, me dê só mais um tempo, e o Senhor vai ver que ela não vai mais continuar ocupando inutilmente espaço em sua vinha.
Veja que ao pedir mais uma chance o viticultor diz: “…deixa-a ainda este ano, até que eu escave ao redor dela e lhe ponha estrume”
Veja que o viticultor (Jesus) não somente pede mais uma chance, mais ele justifica o seu pedido, dizendo ao Senhor que ele sabia por onde começar a trabalhar para que a figueira florescesse, e que por isso ele merecia mais uma chance. Olhe pra sua vida hoje, pra sua figueira e veja por onde começar para que ela frutifique, para que ao pedir mais uma chance para Deus, ele encontre em seu coração o que encontrou no coração daquele viticultor, ou seja, sinceridade e disposição em mudar.
Ele está lhe dando mais uma oportunidade, então vá e invista meu irmão!
4 – ESTA NOVA OPORTUNIDADE NÃO PODE SER NEGLIGENCIADA (V.9)“Se vier a dar fruto, bem está; se não, mandarás cortá-la”
O viticultor (Jesus) faz uma súplica ao seu Senhor, pedindo para que ele prometa não cortar aquela árvore caso ela produzisse, e o Senhor poupa aquela árvore do machado dando assim uma nova oportunidade. Ouça querido: Outro ano de graça lhe foi outorgado, o julgamento e a sentença foram adiados. Medidas urgentes e especiais precisam ser tomadas por nós visando a provocar a produção de frutos. A árvore mais uma vez foi poupada do machado, mais uma vez ela não foi cortada, sendo assim lhe dada uma nova chance. Deus também tem nos poupado do machado, do machado do tempo, da ira, da intolerância, da impaciência e etc. Por isso a cada dia Ele tem nos dado oportunidade de revermos nossas vidas. Deus tem nos poupado de virarmos lenha, não podemos brincar com as oportunidades que ele nos dá, por isso não a negligencie.
Deus espera muito de nós! Folhas não servem, flores não servem, mas somente os frutos!
Que Deus lhe dê uma vida abundante, cheia de frutos,
Pr. Flavio Muniz
Publicado em Parábolas | Deixe um comentário